Chemyunion FI 0820
Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Food InnovationMintel RadarNovo padrão de rotulagem aprovado pela Anvisa sobre alimentação saudável 

Novo padrão de rotulagem aprovado pela Anvisa sobre alimentação saudável 

  • Written by:

No dia 07 de outubro de 2020, a ANVISA aprovou, no Brasil, os textos das minutas de Resolução da Diretoria Colegiada e de Instrução Normativa em relação ao novo padrão de rotulagem para alimentos e bebidas

A aprovação institui diversas mudanças no padrão de rotulagem, bem como deixa mais clara diversas definições relacionada às formulações e na forma como comunicar os valores nutricionais na embalagem. O grande destaque fica por conta dos novos modelos para declaração da rotulagem nutricional frontal, que obrigam os alimentos e bebidas cujas quantidades de açúcares adicionados, gorduras saturadas e sódio sejam iguais ou superiores aos limites definidos na Minuta de Instrução Normativa, a trazerem alertas na parte frontal de seus produtos. Abaixo é possível observar na tabela quais são esses limites para alimentos e bebidas.

Limites de açúcares adicionados, gorduras saturadas e sódio para fins de declaração da rotulagem nutricional frontal – Brasil, outubro 2020.

Modelos que devem ser usados em alimentos cujas quantidades dos três nutrientes (açúcares adicionados, gorduras saturadas e sódio) sejam iguais ou superiores aos limites definidos – Brasil, outubro 2020.

Como anunciado pela Anvisa, a Tabela de Informação Nutricional também passará por mudanças significativas. A primeira delas é que a tabela passa a ter apenas letras pretas e fundo branco visando facilitar a legibilidade das informações. Outra alteração importante será nas informações disponibilizadas na tabela. Passará a ser obrigatória a identificação de açúcares totais e adicionais, a declaração do valor energético e nutricional por 100 g ou 100 ml, para ajudar na comparação de produtos, e o número de porções por embalagem.

O novo padrão de rotulagem deve destacar ainda mais ingredientes que já vinham sendo evitados pelos consumidores brasileiros. O relatório Mintel Alimentação Saudável – Brasil, de Dezembro 2018, já apontava a demanda dos consumidores por produtos com menos sódio, gorduras e açúcar. Segundo ele, 91% dos consumidores demonstraram interesse por alimentos e bebidas com baixo teor de sódio e 90% com baixo teor de açúcar. Sendo que, 47% além do interesse teriam disposição em pagar mais por alimentos e bebidas com menos sódio. E a mesma porcentagem, 47%, além do interesse teria disposição em pagar mais por alimentos e bebidas com menos açúcar.

Sobre o prazo para a adequação a nova regulamentação, a Anvisa destaca que a nova regra será publicada nos próximos dias no Diário Oficial da União, por meio de uma Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) e de uma Instrução Normativa (IN). E que a norma entrará em vigor 24 meses após a publicação. Os produtos que se encontrarem no mercado na data da entrada da norma em vigor terão, ainda, um prazo de adequação de 12 meses.

A agência regulatória destaca ainda que os produtos que forem destinados exclusivamente ao processamento industrial ou aos serviços de alimentação deverão estar adequados já a partir da entrada em vigor do regulamento, de forma a garantir que os fabricantes tenham acesso às informações nutricionais das matérias-primas e ingredientes alimentares utilizados em seus produtos. E os alimentos fabricados por empresas de pequeno porte, como agricultores familiares e microempreendedores, também possuem um prazo de adequação, mas de 24 meses após a entrada em vigor, totalizando 48 meses no total. Para as bebidas não alcoólicas em embalagens retornáveis, a adequação não pode exceder 36 meses após a entrada em vigor da resolução.

Comments are closed.

Parceiros