Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram
Food InnovationInternacionalSupermercados nos EUA enfrentam desabastecimento com Ômicron e crise climática

Supermercados nos EUA enfrentam desabastecimento com Ômicron e crise climática

  • Written by:

Problemas em transporte doméstico e mudança de hábitos alimentares também justificam prateleiras vazias em grandes cadeias

As prateleiras de supermercados em todo os Estados Unidos estão e permanecem vazias, uma vez que lojas lutam para reabastecer rapidamente produtos de necessidade diária, como leite, pão, carne, sopas enlatadas e produtos de limpeza.

Consumidores descontaram sua frustração nas mídias sociais nos últimos dias, postando fotos no Twitter de prateleiras vazias nas lojas Trader Joe, Giant Foods e Publix, entre outras.

Depois de enfrentar dois anos de pandemia e problemas relacionados à cadeia de suprimentos, os supermercados ainda não estão tendo o descanso que esperavam. Agora, enfrentam uma série de outros contratempos.

O golpe devastador de Omicron

À medida que a variante altamente contagiosa da Covid-19 continua a adoecer trabalhadores, uma escassez de força de trabalho em funções críticas, como transporte e logística, está se intensificando. A crise nos setores, por sua vez, afeta a entrega de produtos e o reabastecimento de prateleiras em todo o país.

O CEO da empresa de supermercados Albertsons, Vivek Sankaran, reconheceu que os produtos estão em falta durante teleconferência de resultados da empresa com analistas na última terça-feira.

“Acho que, como um negócio, todos nós aprendemos a gerenciá-lo. Todos nós aprendemos a ter certeza de que as lojas ainda são muito apresentáveis e a dar aos consumidores o máximo de escolha possível”, disse Sankaran durante a teleconferência.

Mesmo assim, acrescentou, a Omicron atrapalha esforços em melhorar lacunas da cadeia de suprimentos. “Esperamos mais desafios de fornecimento nas próximas semanas”, disse Sankaran.

As mercearias estão operando com menos da força de trabalho normal, de acordo com a National Grocers Association, e muitos de seus membros têm menos de 50% da força de trabalho normal.

“Embora haja abundância de alimentos na cadeia de suprimentos, prevemos que os consumidores continuarão a experimentar interrupções esporádicas em certas categorias de produtos, como vimos no último ano, devido aos desafios em fornecimento contínuo e questões trabalhistas”, disse Greg Ferrara, o presidente da associação.

A escassez de mão de obra continua pressionando todas as áreas da indústria alimentícia, disse Phil Lempert, analista do setor e editor do site SuperMarketGuru.

“De fazendas e fabricantes de alimentos a mercearias, a escassez é geral”, disse Lempert. “Durante a pandemia, essas operações tiveram que implementar protocolos de distanciamento social para os quais não foram preparadas e isso afetou a produção”.

À medida que a pandemia continua, muitos trabalhadores da indústria de alimentos optam por não retornar aos seus empregos com salários baixos.

Problemas de transporte

A escassez contínua de caminhoneiros continua a desacelerar a cadeia de suprimentos e a capacidade dos supermercados de reabastecer suas prateleiras rapidamente.

“A indústria de caminhões tem uma mão de obra envelhecida, além de escassa”, disse Lempert. “Foi realmente um problema nos últimos anos.”

Além de problemas de transporte doméstico generalizados, o nível recorde de congestionamento nos portos do país também atravanca a distribuição. “Ambos os desafios estão trabalhando em conjunto para criar escassez”, disse ele.

Problemas climáticos

Nas lojas Trader Joe’s, consumidores no fim de semana viram mensagens presas a prateleiras vazias que culpavam crises climáticas por atrasos nas entregas.

Grande parte do Centro-Oeste e Nordeste dos EUA tem enfrentado, recentemente, condições climáticas e de deslocamento severas. Não apenas as pessoas estão estocando mais mantimentos, mas o nível de alta demanda, juntamente com os desafios de transporte, está dificultando o transporte de mercadorias em condições climáticas adversas, resultando em mais escassez, disse Lempert.

Isso sem mencionar as mudanças climáticas, que são uma ameaça séria e de longo prazo para o fornecimento de alimentos. “Incêndios e secas estão prejudicando lavouras como trigo, milho e soja nos Estados Unidos e café no Brasil”, disse ele. “Não podemos ignorá-los.”

Pandemia mudou nossos hábitos alimentares

Muitos passaram a cozinhar e a comer em casa durante a pandemia , o que também está contribuindo para a escassez de suprimentos de supermercado, disse Lempert.

“Não queremos continuar comendo a mesma coisa e estamos tentando variar a comida caseira. Ao fazer isso, estamos comprando ainda mais produtos alimentícios”, disse ele. A escassez também tornou a compra de alimentos cada vez mais cara até 2022.

Os supermercados certamente estão cientes das prateleiras vazias, disse Lempert, e estão tentando mitigar as compras de pânico, o que só piora a situação.

Uma estratégia: Divulgar os produtos. Eles estão fazendo isso lançando variedades limitadas e quantidades limitadas de cada produto na tentativa de evitar o acúmulo e aumentar seus suprimentos entre as entregas.

“Pré-pandemia, você pode ter visto cinco variedades diferentes de leite na primeira fila e 10 caixas de profundidade. Agora serão cinco de largura e talvez duas filas de profundidade”, disse Lempert.

 

 

 

Fonte: CNN 13.01.2022

Comments are closed.

Rodapé